Tag Archives: infração

153896094

O cotidiano moderno em que vivemos nos leva cada vez mais à necessidade de estarmos sempre informados. É fato que os celulares evoluíram para facilitar a nossa vida: além das ligações e torpedos, agora também podemos checar as redes sociais, navegar por sites, trocar mensagens instantâneas e ainda existe uma infinidade de aplicativos. No entanto, ao dirigir, essa necessidade ocupa as mãos e o cuidado que deveriam estar no volante e, assim, reduzimos nossa atenção no trânsito.

Em um estudo realizado com 2 mil pessoas*, 24% dos entrevistados assumiram usar o smartphone ao dirigir, o que tem feito com que cada vez mais motoristas se envolvam em acidentes por distração. Quando se guia um automóvel, deve-se estar sempre com a visão atenta ao redor e ao andamento do tráfego, pois uma pequena distração pode acarretar um acidente sério.

A multa para quem infringir a lei é de R$ 85,13, considerada uma infração média, e o motorista acumula quatro pontos na carteira. E não é só o celular na mão o “vilão”: até mesmo o uso do viva-voz pode ser prejudicial à atenção do motorista.

Para evitar acidentes, é fundamental que os motoristas se conscientizem dos riscos aos quais se expõem e expõem todos os outros ao redor. Então, lembre-se: deixar seu celular desligado durante a direção garante a segurança do tráfego, a de todos na rua e a sua.

*Fonte: http://www.denatran.gov.br/

Na semana passada, o Trânsito+gentil abordou os mitos que podem comprometer a gentileza no trânsito (sabe aquela mentira que alguém contou e ganhou a boca do povo?). Muitos deles podem acabar em multa e muito estresse depois.

Para você não se estressar e deixar a gentileza de lado, veja alguns desses mitos que encontramos por aí:

#1 Se você estiver preso em um congestionamento e perceber que não vai conseguir sair a tempo da área do rodízio de placas, basta ligar para o Departamento de Transporte da Prefeitura e registrar a sua dificuldade. Eles darão a você um número de protocolo, que irá ajudar na defesa da multa caso você a receba.
( x ) mito  (   ) verdade
A Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (SP) esclarece que não há fundamento na mensagem.

#2 Quem teve o veículo furtado/ roubado pode solicitar restituição do IPVA proporcional aos meses em que não fez uso do veículo.�
(  ) mito  ( x ) verdade
De acordo com a Lei 13.032, é possível pedir a restituição do imposto (válido para o Estado de São Paulo). É preciso que a ocorrência tenha sido registrada dentro do Estado e que você apresente o Boletim de Ocorrência.

#3 Se um carro colidir com o seu e não admitir a culpa, é possível chamar a Justiça Volante, um serviço público onde a viatura é equipada com juizado de pequenas causas semelhante a um tribunal. E a “sentença” é dada de dentro da viatura.
(  ) mito  ( x ) verdade
O serviço existe, sim. Porém, por enquanto, apenas em alguns Estados (Sergipe, Espírito Santo, Mato Grosso entre outros).

#4 Motoristas não podem dirigir descalços.
( x ) mito  (   ) verdade
O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não faz nenhuma referência quanto ao calçado do condutor de veículo. Mas, é importante dirigir com um calçado confortável, que garanta segurança e não escape dos pés. No artigo 252, no entanto, é destacado que é proibido dirigir usando calçado que não se firme nos pés ou que comprometa o uso dos pedais (chinelo de dedo, tamancos, calçados que seja “preso” nos calcanhares.

 

Se você conhece alguma dessas “mentiras” ou tem alguma dúvida, compartilhe aqui e pesquisaremos a verdade.  =)

A seta é um dos itens de série mais gentis do seu veículo. E vamos explicar por quê. 😉

Quando usa a seta, você avisa aos carros que estão atrás, aos pedestres que querem atravessar à sua frente e aos ciclistas e motociclistas, que seguem na sua lateral, que você deseja fazer uma conversão ou trocar de faixa.

O uso correto da seta é fundamental para que todas as outras pessoas tomem atitudes seguras nas vias, reduzindo colisões e atropelamentos, além de buzinadas e palavrões.

Dicas para aproveitar ao máximo esse equipamento tão democrático:

Para quem vai de carro: Sinalize a sua conversão ou troca de faixa usando a seta com antecedência. Ao ver outro carro dando seta, mantenha distância, pois pode ser que o motorista tenha alguma dificuldade para concluir a sua conversão.

Para quem está a pé: Prefira as faixas de pedestres com sinal para atravessar ruas e avenidas. Quando não houver, aguarde parar o fluxo de carros e observe a sinalização de seta dos que ainda estão vindo na direção em que deseja atravessar.

Para motociclistas e ciclistas: Mantenha distância dos demais veículos e fique sempre atento à lanterna de seta dos carros.

Nos últimos dias, o Trânsito+gentil notou a publicação de uma mensagem sobre multas e gostaria de comentá-la. Vamos lá:

No caso de infração leve ou média, se você não foi multado pelo mesmo motivo nos últimos 12 meses, não precisa pagar a multa. É só ir ao DETRAN e pedir o formulário para converter a infração em advertência. Porém, os pontos na sua habilitação serão mantidos.

Consultamos o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e este trecho consta do Artigo 267, que, em sua íntegra diz: “Poderá ser imposta a penalidade de advertência por escrito à infração de natureza leve ou média, passível de ser punida com multa, não sendo reincidente o infrator, na mesma infração, nos últimos doze meses, quando a autoridade, considerando o prontuário do infrator, entender esta providência como mais educativa”.

Esta medida é como a advertência verbal, aplicada com frequência nas décadas passadas. Com o grande aumento dos veículos nas ruas, essa aplicação entrou em desuso, mas ainda existe esta opção para o motorista gentil que, em uma emergência, acaba realizando uma infração no trânsito.

No entanto, somente motoristas com histórico gentil podem requerer a troca de multa por advertência, já que o artigo permite que as autoridades de trânsito acompanhem todo o prontuário do motorista. Se ele possui outras multas, independente da pontuação ou grupos de infração (gravíssima, grave, média ou leve) pode ter a solicitação negada. Viu como vale a pena ser um motorista gentil?! 😉

Muitos motoristas acreditam que, na rua, a prioridade é dos veículos. Alguns pedestres, ciclistas, motociclistas também acham que as ruas foram feitas pra eles. Quando há bom senso e gentileza, esse conflito é tirado de letra: espera-se o outro passar para poder seguir.

Mas, esse pensamento não é unanimidade. Tanto que, na última semana, a prefeitura da cidade de São Paulo implantou o sistema de monitoramento e multa para fazer valer a lei onde o pedestre sempre tem prioridade. Será que é tão simples assim?

A punição com multa e sete (07) pontos na carteira de habilitação (infração gravíssima) não privilegia quem deixa de utilizar a faixa de pedestre e a passarela ou atravessa entre os carros.

Veja dois casos em que o pedestre ganha a gentileza dos motoristas:

Faixa de pedestre: quando o pedestre estiver atravessando, mesmo que na outra ponta de onde está o seu carro, não avance. Espere que ele chegue com segurança na calçada.
Esquinas: muitas esquinas não possuem semáforo, tanto para carro como para pedestre. Nestes casos, diminua a velocidade e só siga se não houver pedestres atravessando.

Quando há gentileza no coração e no volante, nada disso precisa ser dito. Mas, vale lembrar que as regras têm o objetivo de proteger quem é mais frágil em um acidente de trânsito – pedestres, ciclistas, motociclistas e assim por diante. Porém, essa fiscalização não deve ser usada para que os pedestres atravessem onde bem entenderem ou enfrentem os outros veículos, concordam?

Domingo passado (21/3/2010), o Fantástico exibiu uma matéria sobre o desrespeito à faixa de pedestres em 4 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza.

Sempre reforçando que o pedestre tem a preferência, fizeram o teste em 2 tipos de faixas diferentes: as que têm semáforo e as que não têm. Gravaram durante 2 horas em cada cidade e estabeleceram um ranking de qual cidade cometia mais infrações durante este intervalo de tempo.
Continue reading

WP_Query Object
(
    [query] => Array
        (
            [tag] => infracao
        )

    [query_vars] => Array
        (
            [tag] => infracao
            [error] => 
            [m] => 
            [p] => 0
            [post_parent] => 
            [subpost] => 
            [subpost_id] => 
            [attachment] => 
            [attachment_id] => 0
            [name] => 
            [static] => 
            [pagename] => 
            [page_id] => 0
            [second] => 
            [minute] => 
            [hour] => 
            [day] => 0
            [monthnum] => 0
            [year] => 0
            [w] => 0
            [category_name] => 
            [cat] => 
            [tag_id] => 244
            [author] => 
            [author_name] => 
            [feed] => 
            [tb] => 
            [paged] => 0
            [meta_key] => 
            [meta_value] => 
            [preview] => 
            [s] => 
            [sentence] => 
            [title] => 
            [fields] => 
            [menu_order] => 
            [embed] => 
            [category__in] => Array
                (
                )

            [category__not_in] => Array
                (
                )

            [category__and] => Array
                (
                )

            [post__in] => Array
                (
                )

            [post__not_in] => Array
                (
                )

            [post_name__in] => Array
                (
                )

            [tag__in] => Array
                (
                )

            [tag__not_in] => Array
                (
                )

            [tag__and] => Array
                (
                )

            [tag_slug__in] => Array
                (
                    [0] => infracao
                )

            [tag_slug__and] => Array
                (
                )

            [post_parent__in] => Array
                (
                )

            [post_parent__not_in] => Array
                (
                )

            [author__in] => Array
                (
                )

            [author__not_in] => Array
                (
                )

            [ignore_sticky_posts] => 
            [suppress_filters] => 
            [cache_results] => 1
            [update_post_term_cache] => 1
            [lazy_load_term_meta] => 1
            [update_post_meta_cache] => 1
            [post_type] => 
            [posts_per_page] => 10
            [nopaging] => 
            [comments_per_page] => 50
            [no_found_rows] => 
            [order] => DESC
        )

    [tax_query] => WP_Tax_Query Object
        (
            [queries] => Array
                (
                    [0] => Array
                        (
                            [taxonomy] => post_tag
                            [terms] => Array
                                (
                                    [0] => infracao
                                )

                            [field] => slug
                            [operator] => IN
                            [include_children] => 1
                        )

                )

            [relation] => AND
            [table_aliases:protected] => Array
                (
                    [0] => t_g_term_relationships
                )

            [queried_terms] => Array
                (
                    [post_tag] => Array
                        (
                            [terms] => Array
                                (
                                    [0] => infracao
                                )

                            [field] => slug
                        )

                )

            [primary_table] => t_g_posts
            [primary_id_column] => ID
        )

    [meta_query] => WP_Meta_Query Object
        (
            [queries] => Array
                (
                )

            [relation] => 
            [meta_table] => 
            [meta_id_column] => 
            [primary_table] => 
            [primary_id_column] => 
            [table_aliases:protected] => Array
                (
                )

            [clauses:protected] => Array
                (
                )

            [has_or_relation:protected] => 
        )

    [date_query] => 
    [queried_object] => WP_Term Object
        (
            [term_id] => 244
            [name] => infração
            [slug] => infracao
            [term_group] => 0
            [term_taxonomy_id] => 244
            [taxonomy] => post_tag
            [description] => 
            [parent] => 0
            [count] => 6
            [filter] => raw
        )

    [queried_object_id] => 244
    [request] => SELECT SQL_CALC_FOUND_ROWS  t_g_posts.ID FROM t_g_posts  LEFT JOIN t_g_term_relationships ON (t_g_posts.ID = t_g_term_relationships.object_id) WHERE 1=1  AND ( 
  t_g_term_relationships.term_taxonomy_id IN (244)
) AND t_g_posts.post_type = 'post' AND (t_g_posts.post_status = 'publish') GROUP BY t_g_posts.ID ORDER BY t_g_posts.post_date DESC LIMIT 0, 10
    [posts] => Array
        (
            [0] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 3074
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2012-12-17 19:18:30
                    [post_date_gmt] => 2012-12-17 21:18:30
                    [post_content] => 153896094

O cotidiano moderno em que vivemos nos leva cada vez mais à necessidade de estarmos sempre informados. É fato que os celulares evoluíram para facilitar a nossa vida: além das ligações e torpedos, agora também podemos checar as redes sociais, navegar por sites, trocar mensagens instantâneas e ainda existe uma infinidade de aplicativos. No entanto, ao dirigir, essa necessidade ocupa as mãos e o cuidado que deveriam estar no volante e, assim, reduzimos nossa atenção no trânsito.

Em um estudo realizado com 2 mil pessoas*, 24% dos entrevistados assumiram usar o smartphone ao dirigir, o que tem feito com que cada vez mais motoristas se envolvam em acidentes por distração. Quando se guia um automóvel, deve-se estar sempre com a visão atenta ao redor e ao andamento do tráfego, pois uma pequena distração pode acarretar um acidente sério.

A multa para quem infringir a lei é de R$ 85,13, considerada uma infração média, e o motorista acumula quatro pontos na carteira. E não é só o celular na mão o “vilão”: até mesmo o uso do viva-voz pode ser prejudicial à atenção do motorista.

Para evitar acidentes, é fundamental que os motoristas se conscientizem dos riscos aos quais se expõem e expõem todos os outros ao redor. Então, lembre-se: deixar seu celular desligado durante a direção garante a segurança do tráfego, a de todos na rua e a sua.

*Fonte: http://www.denatran.gov.br/ 

                    [post_title] => Falar ao celular pode deixar você fora do ar
                    [post_excerpt] => 
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => falar-ao-celular-pode-deixar-voce-fora-do-ar
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2012-12-17 19:18:30
                    [post_modified_gmt] => 2012-12-17 21:18:30
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=3074
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 0
                    [filter] => raw
                )

            [1] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 2315
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2011-09-05 14:43:49
                    [post_date_gmt] => 2011-09-05 16:43:49
                    [post_content] => Na semana passada, o Trânsito+gentil abordou os mitos que podem comprometer a gentileza no trânsito (sabe aquela mentira que alguém contou e ganhou a boca do povo?). Muitos deles podem acabar em multa e muito estresse depois.

Para você não se estressar e deixar a gentileza de lado, veja alguns desses mitos que encontramos por aí:

#1 Se você estiver preso em um congestionamento e perceber que não vai conseguir sair a tempo da área do rodízio de placas, basta ligar para o Departamento de Transporte da Prefeitura e registrar a sua dificuldade. Eles darão a você um número de protocolo, que irá ajudar na defesa da multa caso você a receba.
( x ) mito  (   ) verdade
A Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (SP) esclarece que não há fundamento na mensagem.

#2 Quem teve o veículo furtado/ roubado pode solicitar restituição do IPVA proporcional aos meses em que não fez uso do veículo.�
(  ) mito  ( x ) verdade
De acordo com a Lei 13.032, é possível pedir a restituição do imposto (válido para o Estado de São Paulo). É preciso que a ocorrência tenha sido registrada dentro do Estado e que você apresente o Boletim de Ocorrência.

#3 Se um carro colidir com o seu e não admitir a culpa, é possível chamar a Justiça Volante, um serviço público onde a viatura é equipada com juizado de pequenas causas semelhante a um tribunal. E a “sentença” é dada de dentro da viatura.
(  ) mito  ( x ) verdade
O serviço existe, sim. Porém, por enquanto, apenas em alguns Estados (Sergipe, Espírito Santo, Mato Grosso entre outros).

#4 Motoristas não podem dirigir descalços.
( x ) mito  (   ) verdade
O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não faz nenhuma referência quanto ao calçado do condutor de veículo. Mas, é importante dirigir com um calçado confortável, que garanta segurança e não escape dos pés. No artigo 252, no entanto, é destacado que é proibido dirigir usando calçado que não se firme nos pés ou que comprometa o uso dos pedais (chinelo de dedo, tamancos, calçados que seja "preso" nos calcanhares.

 

Se você conhece alguma dessas "mentiras" ou tem alguma dúvida, compartilhe aqui e pesquisaremos a verdade.  =)
                    [post_title] => Verdades do trânsito
                    [post_excerpt] => 
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => verdades-do-transito
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2011-09-05 14:43:49
                    [post_modified_gmt] => 2011-09-05 16:43:49
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=2315
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 2
                    [filter] => raw
                )

            [2] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 2278
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2011-08-29 14:50:44
                    [post_date_gmt] => 2011-08-29 16:50:44
                    [post_content] => A seta é um dos itens de série mais gentis do seu veículo. E vamos explicar por quê. ;)

Quando usa a seta, você avisa aos carros que estão atrás, aos pedestres que querem atravessar à sua frente e aos ciclistas e motociclistas, que seguem na sua lateral, que você deseja fazer uma conversão ou trocar de faixa.

O uso correto da seta é fundamental para que todas as outras pessoas tomem atitudes seguras nas vias, reduzindo colisões e atropelamentos, além de buzinadas e palavrões.

Dicas para aproveitar ao máximo esse equipamento tão democrático:

Para quem vai de carro: Sinalize a sua conversão ou troca de faixa usando a seta com antecedência. Ao ver outro carro dando seta, mantenha distância, pois pode ser que o motorista tenha alguma dificuldade para concluir a sua conversão.

Para quem está a pé: Prefira as faixas de pedestres com sinal para atravessar ruas e avenidas. Quando não houver, aguarde parar o fluxo de carros e observe a sinalização de seta dos que ainda estão vindo na direção em que deseja atravessar.

Para motociclistas e ciclistas: Mantenha distância dos demais veículos e fique sempre atento à lanterna de seta dos carros.
                    [post_title] => Seta, um equipamento gentil
                    [post_excerpt] => 
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => seta-um-equipamento-gentil
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2011-08-29 14:50:44
                    [post_modified_gmt] => 2011-08-29 16:50:44
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=2278
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 0
                    [filter] => raw
                )

            [3] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 2252
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2011-08-22 16:34:44
                    [post_date_gmt] => 2011-08-22 18:34:44
                    [post_content] => Nos últimos dias, o Trânsito+gentil notou a publicação de uma mensagem sobre multas e gostaria de comentá-la. Vamos lá:

No caso de infração leve ou média, se você não foi multado pelo mesmo motivo nos últimos 12 meses, não precisa pagar a multa. É só ir ao DETRAN e pedir o formulário para converter a infração em advertência. Porém, os pontos na sua habilitação serão mantidos.

Consultamos o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e este trecho consta do Artigo 267, que, em sua íntegra diz: “Poderá ser imposta a penalidade de advertência por escrito à infração de natureza leve ou média, passível de ser punida com multa, não sendo reincidente o infrator, na mesma infração, nos últimos doze meses, quando a autoridade, considerando o prontuário do infrator, entender esta providência como mais educativa”.

Esta medida é como a advertência verbal, aplicada com frequência nas décadas passadas. Com o grande aumento dos veículos nas ruas, essa aplicação entrou em desuso, mas ainda existe esta opção para o motorista gentil que, em uma emergência, acaba realizando uma infração no trânsito.

No entanto, somente motoristas com histórico gentil podem requerer a troca de multa por advertência, já que o artigo permite que as autoridades de trânsito acompanhem todo o prontuário do motorista. Se ele possui outras multas, independente da pontuação ou grupos de infração (gravíssima, grave, média ou leve) pode ter a solicitação negada. Viu como vale a pena ser um motorista gentil?! ;)
                    [post_title] => É mesmo possível trocar uma multa por uma advertência?
                    [post_excerpt] => 
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => e-mesmo-possivel-trocar-uma-multa-por-uma-advertencia
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2011-08-22 16:34:44
                    [post_modified_gmt] => 2011-08-22 18:34:44
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=2252
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 1
                    [filter] => raw
                )

            [4] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 2243
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2011-08-17 13:04:49
                    [post_date_gmt] => 2011-08-17 15:04:49
                    [post_content] => Muitos motoristas acreditam que, na rua, a prioridade é dos veículos. Alguns pedestres, ciclistas, motociclistas também acham que as ruas foram feitas pra eles. Quando há bom senso e gentileza, esse conflito é tirado de letra: espera-se o outro passar para poder seguir.

Mas, esse pensamento não é unanimidade. Tanto que, na última semana, a prefeitura da cidade de São Paulo implantou o sistema de monitoramento e multa para fazer valer a lei onde o pedestre sempre tem prioridade. Será que é tão simples assim?

A punição com multa e sete (07) pontos na carteira de habilitação (infração gravíssima) não privilegia quem deixa de utilizar a faixa de pedestre e a passarela ou atravessa entre os carros. 

Veja dois casos em que o pedestre ganha a gentileza dos motoristas:

Faixa de pedestre: quando o pedestre estiver atravessando, mesmo que na outra ponta de onde está o seu carro, não avance. Espere que ele chegue com segurança na calçada.
Esquinas: muitas esquinas não possuem semáforo, tanto para carro como para pedestre. Nestes casos, diminua a velocidade e só siga se não houver pedestres atravessando.

Quando há gentileza no coração e no volante, nada disso precisa ser dito. Mas, vale lembrar que as regras têm o objetivo de proteger quem é mais frágil em um acidente de trânsito - pedestres, ciclistas, motociclistas e assim por diante. Porém, essa fiscalização não deve ser usada para que os pedestres atravessem onde bem entenderem ou enfrentem os outros veículos, concordam?
                    [post_title] => Motorista+gentil. Pedestre+seguro.
                    [post_excerpt] => 
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => motoristagentil-pedestreseguro
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2011-08-17 13:04:49
                    [post_modified_gmt] => 2011-08-17 15:04:49
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=2243
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 1
                    [filter] => raw
                )

            [5] => WP_Post Object
                (
                    [ID] => 628
                    [post_author] => 2
                    [post_date] => 2010-03-22 16:27:43
                    [post_date_gmt] => 2010-03-22 18:27:43
                    [post_content] => Domingo passado (21/3/2010), o Fantástico exibiu  uma matéria sobre o desrespeito à faixa de pedestres em 4 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza.

Sempre reforçando que o pedestre tem a preferência, fizeram o teste em 2 tipos de faixas diferentes: as que têm semáforo e as que não têm. Gravaram durante 2 horas em cada cidade e estabeleceram um ranking de qual cidade cometia mais infrações durante este intervalo de tempo.

O campeão em infrações na faixa com semáforo foi o Rio de Janeiro: em 2 horas, foram observadas 88 infrações sobre a faixa de pedestres! Depois veio São Paulo, com 40 infrações. Em 3º, Fortaleza, com 11 infrações e, por último,  Salvador comum ótimo exemplo, apresentando apenas 1 infração! Mas em compensação, onde não havia semáforo em Salvador, 530 motoristas desrespeitaram os pedestres que tentavam atravessar a rua.

Veja o vídeo da reportagem completa e observe  como os motoristas agiram quando foram questionados sobre parar em cima da faixa de pedestres:



Agora, vale lembrar da lei: estacionar na faixa de pedestre é infração grave. Gera cinco pontos na carteira e multa de R$ 127,69. Já parar sobre a faixa na mudança de sinal é infração média, com multa de R$ 85,13, mais quatro pontos na habilitação.

Pedestres: estão indignados com o resultando dessa pesquisa? Pois é, essas cidades estão realmente precisando de um Trânsito + Gentil. A gentileza deve partir de nós mesmos, pois existem muitos pedestres que também não são nada gentis e atravessam fora da faixa. Sendo assim, que direito eles teriam de exigir alguma coisa dos motoristas? Pensem nisso, e comecem a mudança dentro de vocês! Sempre por um Trânsito + Gentil :D
                    [post_title] => Que cidade desrespeita mais a faixa de pedestres?
                    [post_excerpt] => Domingo passado (21/3/2010), o Fantástico exibiu uma matéria sobre o desrespeito à faixa de pedestres em 4 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza.

Sempre reforçando que o pedestre tem a preferência, fizeram o teste em 2 tipos de faixas diferentes: as que têm semáforo e as que não têm. Gravaram durante 2 horas em cada cidade e estabeleceram um ranking de qual cidade cometia mais infrações durante este intervalo de tempo.
                    [post_status] => publish
                    [comment_status] => open
                    [ping_status] => open
                    [post_password] => 
                    [post_name] => que-cidade-desrespeita-mais-a-faixa-de-pedestres
                    [to_ping] => 
                    [pinged] => 
                    [post_modified] => 2010-03-22 16:27:43
                    [post_modified_gmt] => 2010-03-22 18:27:43
                    [post_content_filtered] => 
                    [post_parent] => 0
                    [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=628
                    [menu_order] => 0
                    [post_type] => post
                    [post_mime_type] => 
                    [comment_count] => 3
                    [filter] => raw
                )

        )

    [post_count] => 6
    [current_post] => -1
    [in_the_loop] => 
    [post] => WP_Post Object
        (
            [ID] => 3074
            [post_author] => 2
            [post_date] => 2012-12-17 19:18:30
            [post_date_gmt] => 2012-12-17 21:18:30
            [post_content] => 153896094

O cotidiano moderno em que vivemos nos leva cada vez mais à necessidade de estarmos sempre informados. É fato que os celulares evoluíram para facilitar a nossa vida: além das ligações e torpedos, agora também podemos checar as redes sociais, navegar por sites, trocar mensagens instantâneas e ainda existe uma infinidade de aplicativos. No entanto, ao dirigir, essa necessidade ocupa as mãos e o cuidado que deveriam estar no volante e, assim, reduzimos nossa atenção no trânsito.

Em um estudo realizado com 2 mil pessoas*, 24% dos entrevistados assumiram usar o smartphone ao dirigir, o que tem feito com que cada vez mais motoristas se envolvam em acidentes por distração. Quando se guia um automóvel, deve-se estar sempre com a visão atenta ao redor e ao andamento do tráfego, pois uma pequena distração pode acarretar um acidente sério.

A multa para quem infringir a lei é de R$ 85,13, considerada uma infração média, e o motorista acumula quatro pontos na carteira. E não é só o celular na mão o “vilão”: até mesmo o uso do viva-voz pode ser prejudicial à atenção do motorista.

Para evitar acidentes, é fundamental que os motoristas se conscientizem dos riscos aos quais se expõem e expõem todos os outros ao redor. Então, lembre-se: deixar seu celular desligado durante a direção garante a segurança do tráfego, a de todos na rua e a sua.

*Fonte: http://www.denatran.gov.br/ 

            [post_title] => Falar ao celular pode deixar você fora do ar
            [post_excerpt] => 
            [post_status] => publish
            [comment_status] => open
            [ping_status] => open
            [post_password] => 
            [post_name] => falar-ao-celular-pode-deixar-voce-fora-do-ar
            [to_ping] => 
            [pinged] => 
            [post_modified] => 2012-12-17 19:18:30
            [post_modified_gmt] => 2012-12-17 21:18:30
            [post_content_filtered] => 
            [post_parent] => 0
            [guid] => http://www.transitomaisgentil.com.br/blog/?p=3074
            [menu_order] => 0
            [post_type] => post
            [post_mime_type] => 
            [comment_count] => 0
            [filter] => raw
        )

    [comment_count] => 0
    [current_comment] => -1
    [found_posts] => 6
    [max_num_pages] => 1
    [max_num_comment_pages] => 0
    [is_single] => 
    [is_preview] => 
    [is_page] => 
    [is_archive] => 1
    [is_date] => 
    [is_year] => 
    [is_month] => 
    [is_day] => 
    [is_time] => 
    [is_author] => 
    [is_category] => 
    [is_tag] => 1
    [is_tax] => 
    [is_search] => 
    [is_feed] => 
    [is_comment_feed] => 
    [is_trackback] => 
    [is_home] => 
    [is_404] => 
    [is_embed] => 
    [is_paged] => 
    [is_admin] => 
    [is_attachment] => 
    [is_singular] => 
    [is_robots] => 
    [is_posts_page] => 
    [is_post_type_archive] => 
    [query_vars_hash:WP_Query:private] => 8f50c0ffbb50dc8c0481d554fcb43839
    [query_vars_changed:WP_Query:private] => 
    [thumbnails_cached] => 
    [stopwords:WP_Query:private] => 
    [compat_fields:WP_Query:private] => Array
        (
            [0] => query_vars_hash
            [1] => query_vars_changed
        )

    [compat_methods:WP_Query:private] => Array
        (
            [0] => init_query_flags
            [1] => parse_tax_query
        )

)