Muitos motoristas acreditam que, na rua, a prioridade é dos veículos. Alguns pedestres, ciclistas, motociclistas também acham que as ruas foram feitas pra eles. Quando há bom senso e gentileza, esse conflito é tirado de letra: espera-se o outro passar para poder seguir.

Mas, esse pensamento não é unanimidade. Tanto que, na última semana, a prefeitura da cidade de São Paulo implantou o sistema de monitoramento e multa para fazer valer a lei onde o pedestre sempre tem prioridade. Será que é tão simples assim?

A punição com multa e sete (07) pontos na carteira de habilitação (infração gravíssima) não privilegia quem deixa de utilizar a faixa de pedestre e a passarela ou atravessa entre os carros.

Veja dois casos em que o pedestre ganha a gentileza dos motoristas:

Faixa de pedestre: quando o pedestre estiver atravessando, mesmo que na outra ponta de onde está o seu carro, não avance. Espere que ele chegue com segurança na calçada.
Esquinas: muitas esquinas não possuem semáforo, tanto para carro como para pedestre. Nestes casos, diminua a velocidade e só siga se não houver pedestres atravessando.

Quando há gentileza no coração e no volante, nada disso precisa ser dito. Mas, vale lembrar que as regras têm o objetivo de proteger quem é mais frágil em um acidente de trânsito - pedestres, ciclistas, motociclistas e assim por diante. Porém, essa fiscalização não deve ser usada para que os pedestres atravessem onde bem entenderem ou enfrentem os outros veículos, concordam?