Por Gabi Bianco

Hoje, vindo para o trabalho, uma moça num carro grande dirigia à minha frente. Ela me fechou, mudou de pista sem dar seta, acelerou e jogou o carro em cima dos outros. Em determinado momento, fiquei irritada e dei uma buzinada – nada muito sério não, só aquele “bi bi” rápido pra mostrar que estava ali. A resposta dela? Fez um gesto com o braço e me xingou.

Olhei para o rosto dela. Sobrancelhas contraídas, os lábios apertados, olhar raivoso, rosto exausto. Na hora, ao invés de ficar doida de raiva e ter vontade de gritar com ela, me bateu um sentimento de empatia: aquela moça estava muito cansada.

Claro que cansaço não é desculpa pra dirigir de maneira imprudente, de forma alguma. Mas, a expressão exausta da moça fez com que, em vez de gritar de volta, minha resposta fosse um sorriso de leve. Uma vontade de parar o carro, abraçá-la e dizer “Calma, moça. Vai dar tudo certo, você vai chegar aonde precisa ir, eu também, aí a gente vai trabalhar e no fim do dia vamos cada uma pra sua casa, a vida continua e seremos felizes. Não precisa berrar não. Vai ficar tudo bem”.

Porque, quando a gente está dirigindo, estressado, cansado, bravo pra caramba, a vontade sempre é gritar de volta, ofender, xingar, devolver na mesma moeda. Só que, se a gente fizer isso, todo mundo perde. Agressão verbal (ou física!) é uma grande bobagem. Pra quê gritar? Todo mundo vai chegar aonde precisa ir. A diferença é que você pode chegar estressado ou calmo. E calmo é sempre melhor.

--

A blogueira Gabi Bianco é ligada em tudo que acontece dentro e fora das redes sociais. Gosta de muita coisa, mas, não deixa de se informar sobre o que não gosta. Justamente por isso, o seu blog, https://casadagabi.com, vai além dos assuntos femininos. Muito além. ;D